Bela, Descolada e do Vinil: Mulheres que colecionam!

O nome dela Gisele. Gisele foi um achado!

Apesar da surpresa em conhecê-la, esse fato me desperta uma preocupação: Por que foi tão difícil encontrar uma mulher que colecione Discos de Vinil?

Entrei em alguns grupos de facebook, e o que encontrei não me surpreendeu: Várias pessoas por lá, homens e mulheres, porém, os mais participativos (ou quase a totalidade) eram homens. Nos comentários era a mesma ocorrência…

A música, apesar de habitar a vida de tantos, ainda é produzida em sua maioria por eles. Não iremos discutir aqui, ou hoje, o motivo disso, mas é um fato que podemos constatar. Mas a minha busca não podia cessar… Precisava conversar com uma mina que também dividisse dessa paixão, e que orgulhosamente ocupasse um lindo lugar no “mundo” dos colecionadores.

E foi com alegria que me passaram o contato do Whatsapp de Gisele. E eu mandei a primeira mensagem.

Perto do fogo. Eu quero estar perto do fogo!

Foi com essa música na cabeça que encarei a foto de Gisele, que musicalmente já me lembrou a homenagem da canção de Cazuza:

“No coração da cidade
Descendendo a liberdade
Eu quero ser uma flor
Nos teus cabelos de fogo”

Nascida e criada no subúrbio do Rio de Janeiro, Gisele, aos 37 anos, está em um recente relacionamento com sua coleção de discos. Sua paixão, conta ela, começou há três anos por influência de seu ex companheiro, mas foi no início de 2017 que ela decidiu mergulhar de vez nessa nova possibilidade.

E se você está se perguntando qual a intensidade desse mergulho, eu te respondo: Seus primeiros discos foram Stay On these Roads, da banda A-Ha, Love at First Sting, Scorpions, e ganhou de presente Brothers in Arms de Dire Straits.

A coleção, ainda modesta, prova sua paciência e cuidado em construí-la, e reforça sua tese: “Não é coisa de High Society“, afinal, é com muito trabalho e suor que ela constrói mais essa parte de sua história.

Parte de sua história que, de certa forma, teve início lá em sua infância, quando acompanhava sua mãe nas tarefas de casa. Filha de dona de casa, compartilhava o hábito de ouvir rádio, enquanto a mãe cozinhava e fazia os demais afazeres.

Com o tempo foi descobrindo seu próprio gosto, e se aproximou do Rock Clássico. Seus preferidos? Ela responde: Guns n Roses, Bon Jovi, Deep Purple, Led Zeppelin, Black Sabbath, Van Halen, Iron Maiden, e clássicos pop como Elton John e Michael Jackson. Mas ela não se limita, e isso é um fator com o qual os LPs vem contribuindo: a possibilidade de conhecer coisas novas. Também fazem a cabeça dessa colecionadora nomes como Novos Baianos, Belchior, Elis Regina e Clara Nunes.

O perfil da minha coleção é Rock Clássico, bandas anos 80 e música brasileira de qualidade como os citados acima. Eu sigo o meu gosto, mas é predominante em rock e décadas de 70 e 80.

Para ela a sensação criada com os discos é algo mágico e, de certa forma, a faz viajar no tempo: “Quando criança minha família não tinha condições econômicas de comprar uma vitrola, além do rádio, eu ouvia vitrola na casa da vizinha. Então o chiado me traz muita nostalgia, boas lembranças, parece que estou voltando no tempo. Essa sensação me deixa muito feliz!”.

Compro (os discos) sempre na feira do Lavradio que ocorre mensalmente. Compro com o mesmo vendedor porque os discos nunca vêm arranhados.

Black (DOG) Sabbath

E sabe quem é o companheiro de audições de Gisele? O Cachorro Black Sabbath. E ela explica o motivo do nome: “O nome dele é Sabbath, não só pela banda. O encontrei em um sábado… E ele é preto, aí ficou Black Sabbath (rs)”.

Está aprovado!

 

Você também quer contar sua história de colecionador, ou conhece alguém com uma história massa igual a Gisele? Manda mensagem pra gente!

 

 

 

 

 

Comente aqui