A coleção de Discos que teve seu primeiro item achado no Lixo!

Hoje vamos contar a história de Ernesto Magalhães* e sua inusitada coleção de discos.

Muitas vezes perguntamos às pessoas como elas começaram sua paixão pelo Vinil, ou pela própria música. Quantas histórias você já ouviu sobre o gosto ser herdado dos pais, ou de alguma rebeldia na adolescência? Aqueles primeiros discos que ganhou de um tio, uma herança, um presente de namorada ou namorado, alguma aventura no aparelho de som dos pais.

Quantas pessoas você conhece que começaram sua coleção com discos encontrados no lixo?! Se você ainda não conhece ninguém, está na hora de ser apresentado a Ernesto, o personagem da história que vamos contar aqui no blog, o qual foi uma honra ter conhecido e trocado referências.

Hoje, aos 35 anos, Ernesto tem uma respeitável coleção que começou quando ele tinha apenas 11 anos. Ainda bem jovem, ele trabalhava com seu pai com materiais recicláveis. Tudo aquilo que muita gente encara como lixo e descartável é visto como trabalho e novas possibilidades para outras pessoas. Essa história merece uma atenção especial, e uma atenção que vá para além do fato dos discos, e que nos leve a refletir sobre como lidamos com nossos resíduos, nossas comidas, nossos pertences, e principalmente, com os demais, as outras pessoas, os vizinhos, os trabalhadores, aqueles que são responaveis por limpar e organizar “o mundo” que é invisível para muitos.

Para nós, amantes dos discos, parece inconcebível a ideia de encontrar um LP abandonado entre coisas descartáveis. Mas isso é mais comum do que podemos imaginar, há diversos relatos sobre bibliotecas que foram inteiramente montadas com livros encontrados no lixo.

Pois bem, voltemos a Ernesto e seu pai. Ele nos contou que o achado aconteceu em uma segunda-feira pela manhã, um dia que os sentimentos de esperança com a semana que se iniciava, e a o desespero devido à situação familiar se misturavam. Em meio a manhã de trabalho junto ao seu pai (Ernesto estudava durante a tarde e trabalhava durante a manhã), eles encontraram nada menos que dois discos muito simbólicos. Eram eles:

Miles Davis – Tutu (1986)

Um dos discos achados por Ernesto nesse dia foi o álbum Tutu  de Miles Davis. Como você pode ver nas imagens do post, ele tem duas edições desse trabalho na coleção. A segunda chegou em um lote doado por um amigo.

Caetano Veloso – Bicho (1977)

O outro disco encontrado foi Bicho lançado por Caetano no ano de 1977. Foi o primeiro contato de Ernesto com o cantor.

Nesse disco estão as canções Odara, Leãozinho, Tigresa.  

 

Bom, mas encontrar um disco não diz muita coisa. Para contemplá-lo era necessário ter onde curtir o som… A família não tinha o toca-discos em casa, e durante o processo de descobrimento da música e daquele objeto encontrado, Ernesto pode contar com a ajuda de amigos do bairro, que começaram a se reunir para ouvir os discos, e descobrir na vizinhança quem mais tinha música em casa. Em alguns meses, devido ao trabalho que tinha, o pai de Ernesto conseguiu reunir peças e fazer algumas trocas entre outros trabalhadores e montar um toca-discos para sua casa.

Outro fato curioso da história é que depois desses dois primeiros discos, a dupla pai e filho encontraram mais LPs no descarte, e a maioria deles em excelente qualidade, até mesmo com as capas conservadas.

Confira algumas fotos dos discos “achados” por Ernesto:

Este slideshow necessita de JavaScript.

 

Você já encontrou algum vinil abandonado por aí? Conhece alguma história parecida? Conta pra gente nos comentários.

O nome Ernesto é fictício, pois nosso entrevistado pediu para não ser identificado.

Comente aqui