Jazzmin’s: Ocupação Feminina no Jazz!

Há algum tempo nosso compromisso com a música é diário! Pesquisar sobre música é sempre um prazer, e também uma tarefa que exige responsabilidade, pois é preciso sair do óbvio. Por quê? Lemos em uma reportagem recente a opinião de donos de lojas de discos, e eles apontavam a necessidade da pesquisa e de novas descobertas, pois revistas e portais disponíveis por aí acabam sempre indicando os mesmo 50 discos que já são conhecidos por grande parte da população, enquanto temos diversos artistas, de altíssima qualidade, que acabam ficando longe dos holofotes, e nós perdemos em não conhecer essas jóias escondidas!

Mas agora reflita conosco, quantas mulheres que fazem música você conhece?

O número de mulheres no mundo na música é nitidamente muito menor que o número de homens, e isso se dá por diversos motivos, como a dificuldade de acesso, o preconceito, a falta de tempo para dedicação integral ao estudo, entre tantos outros… Mas elas são insistentes e persistentes, e por nossa sorte, o número de profissionais mulheres na música vem crescendo, e os meios de comunicação não hegemônicos estão cada vez mais buscando por essas fontes, e com espaços para divulgar esses trabalhos.

Nesse contexto, temos uma boa notícia: São Paulo ganhou sua primeira big band feminina e,  talvez, a primeira big band no Brasil. Um grupo de 17 mulheres atacando no jazz profissional.

A banda surgiu há poucos meses em São Paulo e, com 17 mulheres, o grupo Jazzmin’s é um grande achado. O nome remete a jasmim, uma das flores mais perfumadas da natureza, mas também a “jazz means”, que em inglês quer dizer “jazz significa”. Todo o agrupamento briga para mudar questões de significados.

“Há grupos de mulheres, mas de big bands eu não tenho notícia. Aqui no Brasil tenho a impressão de que somos pioneiras nesse tipo de formação”, diz a bandleader do grupo, a saxofonista e flautista Paula Valente, doutora pela USP com tese sobre o chorinho (e também integrante da Orquestra Jazz Sinfônica do Estado de São Paulo e professora da Escola de Música Tom Jobim). “Não foi fácil montar a banda. Não tem tanta gente”, ela conta.

Jazzmin’s reúne mulheres instrumentistas que são lendas da música brasileira, todas com formação acadêmica sólida, e com experiências diversificadas.

Segundo o pronunciamento, o objetivo da big band é “proporcionar a oportunidade de transformação do olhar sobre o talento musical da mulher com a veiculação de um trabalho de qualidade artística e cultural em direção à mudança da desproporção entre homens e mulheres nesse mercado, a abertura de um espaço profissional e criativo para a mulher musicista com a realização de um trabalho inédito no sentido musical e antropológico, o despertar do interesse para a questão de gênero na música”.

 

Curtiu? Você pode acompanhá-las pelo facebook.

As fotos utilizadas no texto estão disponíveis no facebook da banda e são de autoria de Daniel Kersys. As aspas foram retiradas de uma publicação da Carta Capital.

Comente aqui