Você sabe qual é a diferença entre os discos de Ouro, Platina e Diamante?

Provavelmente vocês já se cansaram de ver, principalmente nesses programas de televisão, a entrega/premiação dos famosos discos de Ouro, Platina ou Diamante a artistas e bandas que alcançam altos níveis de vendas de seus álbuns.

Esse sistema de premiação existe em diversos países, os quais seguem as variações pré-definidas pela Federação Internacional da Indústria Fonográfica (IFPI). As categorias existentes nessa premiação são: Ouro, Platina e Diamante. Explicamos melhor:

O número de vendas para alcançar as premiações variam de acordo com os países, e cada local segue seus próprios padrões, que podem ser baseados no índice populacional, por exemplo. Além desse fato, diferentes níveis de vendas podem existir para os diversos tipos de mídias, como é o caso de álbuns, compactos, singles, clipes, DVDs, etc… (Vamos ver mais a frente como o streaming também pode influenciar).

O interessante é que as certificações funcionam de forma cumulativa, ou seja, é possível que um único disco seja certificado como ouro, platina e, posteriormente, diamante. É possível também que alcancem, com as vendas, o status de “platina duplo” ou “triplo”.

As premiações podem ocorrer, também, com o poder de venda daquele disco no mercado atual. Por exemplo: A medida é baseada geralmente em transferências de atacado para todos os tipos de comércio, não apenas em vendas no varejo. Ou seja, isso significa que um prêmio ou ranking para um novo lançamento reflete as expectativas de um distribuidor do álbum e seu poder de mercado.

Veja como são feitas as premiações no Brasil (Venda de Álbuns):

Certificação por número de vendas – Repertório nacional:

Ouro: 40.000
Platina: 80.000
Diamante: 300.000

Certificação por número de vendas – Repertório internacional:

Ouro: 20.000
Platina: 40.000
Diamante: 160.000

Atualização de dados feita em: 5 de abril de 2017.
Para consultar demais países clique aqui.

 

Agora, veja essa novidade: Os discos de ouro e platina também podem ser baseados no streaming de faixas.

A Associação da Indústria Fonográfica dos Estados Unidos anunciou esta mudança no ano passado,  e imediatamente, declarou 17 novos discos de ouro ou platina com base em seus ouvintes online. Em 2013, a associação já tinha começado a analisar o streaming para certificar as vendas de um título, mas não de um álbum. O instituto Nielsen, que contabiliza as vendas para estabelecer a classificação de referência semanal publicada pela “Billboard”, já levava em conta as faixas online desde 2014. Nos Estados Unidos, um disco de ouro significa que o álbum vendeu 500.000 cópias e o de platina indica um milhão de cópias.

O que não foi tão novidade assim: Entre os beneficiários imediatos desta alteração estão “Thriller”, de Michael Jackson. Já consagrado trinta vezes com um disco de ouro nos Estados Unidos, excluindo faixas em streaming, o álbum passou automaticamente a 32 discos de ouro com o novo sistema de cálculo.

*O novo critério só leva em conta as vendas nos Estados Unidos.

Agora você deve estar se perguntando, ou puxando na memória, sobre o disco de Urânio. Bom, vamos a ele:

Essa premiação é real, mas não completamente. Mas também não podemos dizer que seja um mito.
O Disco de Urânio não se trata de uma premiação oficial da indústria da música mundial, ela foi criada por uma extinta gravadora espanhola chamada Hispavox, no ano de 1982, para homenagear o cantor espanhol Raphael, em comemoração ao seu sucesso num total de vendas de toda a sua discografia. Como o cantor Raphael já tinha recebido discos de ouro e de platina, a gravadora (que hoje é apenas um selo da gravadora EMI) criou o disco de urânio e deu ao astro espanhol.

Observe atentamente o nome escrito ao centro do disco:

Além de Raphael, os outros artistas que também receberam este título, que podemos chamar de… Simbólico. São eles: Michael Jackson (por Thriller, de 1982) (olha aí a “novidade”), AC/DC (por Back in Black, de 1980) e Queen (Greatest Hits, de 1981). No entanto, nenhum desses álbuns tinha vendido mais de 50 milhões de cópias na época.

Vocês já tinham ouvido falar disso?

 

Comente aqui